O Alto Minho vê-se confrontado com um grande número de residentes em lares de idosos infetados pela covid-19, situação particularmente preocupante no Lar de Grade em Arcos de Valdevez, no Lar da Misericórdia em Monção, nos lares de Darque e da Misericórdia em Viana do Castelo e no Lar da Misericórdia em Melgaço, onde o número de infetados é particularmente preocupante. Este drama pode rapidamente alastrar a outras unidades do distrito, misericórdias ou outras IPSS, apesar de todos os cuidados.

Perante este cenário, os deputados do PSD eleitos por Viana do Castelo alertam para a necessidade de o Governo reforçar “os recursos necessários à contratação de profissionais de saúde, médicos e enfermeiros e de equipamentos hospitalares que permitam colocar os hospitais de retaguarda criados na região rapidamente a funcionar por forma a responderem às necessidades dos idosos com covid-19, que apesar de terem recebido alta hospitalar, ainda necessitam de cuidados especializados de saúde e não podem ser transferidos para os lares que não têm os recursos médicos de que necessitam”.

Emília Cerqueira, Jorge Salgueiro Mendes e Eduardo Teixeira lembram que o presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo, bem como 10 Presidentes de Câmara pediram ao Governo a ativação do Plano Distrital de Emergência para combater a epidemia na região onde, do total de infetados, um terço dos 2.328 residentes são idosos e funcionários de lares.

Na pergunta dirigida à ministra do Trabalho, Solidariedade Social e Segurança Social e ministra da Saúde, os deputados afirmam que se torna “imperativa a tomada de medidas de retirada imediata dos utentes infetados para locais onde lhes possam ser prestados todos os cuidados de saúde de que necessitam, sob pena de se estar ‘a condenar à morte’ dezenas de idosos por falta de cuidados médicos e a expor ao perigo os restantes utentes e colaboradores dessas instituições residenciais”.

Como solução, o PSD assinala que foram montados pelos diversos municípios do Alto Minho, nomeadamente no município de Arcos de Valdevez, hospitais de retaguarda para acolher e dar assistência aos doentes em recuperação.

O PSD sublinha ainda que está a ser trabalhada a abertura de um lar de retaguarda, com 50 camas, na Pousada da Juventude de Viana do Castelo, para apoiar instituições de idosos do distrito que não tenham condições para isolar idosos infetados, mas sem sintomas da doença, ou recursos para garantir o seu acompanhamento.

O PSD pergunta:

1.Irá o Governo atender ao solicitado pela CIM Alto Minho ao decretarem o Plano Emergência Distrital?
2. Irá o Governo disponibilizar os meios humanos e técnicos necessários para a planeada abertura, até final da semana, de um lar de retaguarda, com 50 camas, na Pousada da Juventude de Viana do Castelo para apoiar instituições de idosos do distrito que não tenham condições para isolar idosos infetados, mas sem sintomas da doença, ou recursos para garantir o seu acompanhamento?
3. Perante o número de infetados no distrito as necessidades são muito superiores à resposta referida supra, pelo que urge criar outras respostas, assim questiona-se se irá o Governo disponibilizar os recursos necessários à contratação de profissionais de saúde, médicos e enfermeiros e de equipamentos hospitalares que permitam colocar os hospitais de retaguarda criados na região rapidamente a funcionar por forma a responderem às necessidades dos idosos com covid-19, que apesar de terem recebido alta hospitalar, ainda necessitam de cuidados especializados de saúde e não podem ser transferidos para os lares que não têm os recursos médicos de que necessitam?
4. Em caso de resposta positiva, quando?