Em visita ao Hospital de Faro, esta quinta-feira, Rui Rio voltou a denunciar os “estrangulamentos” que afetam o Serviço Nacional de Saúde e este centro hospitalar em particular. Falta de recursos humanos (médicos e enfermeiros), tempos de espera “desumanos” e atrasos na marcação de atos clínicos e limitação do edificado (sem espaço para reforço de camas) caracterizam o Hospital de Faro.

O Presidente do PSD critica os “indicadores que não são próprios de um País desenvolvido, europeu”, e que nos últimos três anos se agravaram. “No Algarve é ainda pior. Sabendo que é um destino turístico, e (importante) para a economia do País, cada vez mais os turistas dão valor a essa componente. As pessoas não vão passar férias se não sentirem segurança”, alertou. Rui Rio entende que “o País tem que ser capaz de reagir”.

Rui Rio sobre greve dos enfermeiros: “A principal preocupação são os doentes”

Num comentário ao pré-aviso de greve dos enfermeiros, o líder do PSD espera que Governo e enfermeiros possam encontrar uma posição de “bom senso”, “equilíbrio” e de “boa vontade”. “Que cada uma das partes perceba os constrangimentos da outra e não exija tudo à outra (parte)”, sublinhou.

Rui Rio explicou que as necessidades dos doentes devem ser salvaguardadas. “Do ponto de vista do PSD, o que está no centro preocupação de alguém está na vida pública e na Saúde? São os doentes (…). No fim da linha são os doentes quem vão sofrer, ainda para mais com uma greve, que é pontual, feita nas cirurgias e nos hospitais”, disse.

Rui Rio está a fazer um périplo no terreno para se inteirar dos problemas do sistema de Saúde. Na sexta-feira, o líder do PSD visitou o Hospital Espírito Santo em Évora.