O Presidente do PSD esteve no Brasil a celebrar o Dia de Portugal. Rui Rio encontrou-se na semana passada com a comunidade portuguesa e reuniu com individualidades brasileiras, nomeadamente o Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witsel, a quem apresentou cumprimentos e deu a conhecer a visão que tem da política externa nacional, que concilia a vertente europeia e a frente atlântica. “Hoje é o dia 10 de Junho e é o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. É, por isso, com muito gosto que vim ao Rio de Janeiro e a São Paulo”, expressou o líder do PSD.

O Presidente do PSD lembra que as relações institucionais entre os dois países são estreitas, mas “gostaria sempre que de parte a parte houvesse um esforço para que a aproximação amanhã [entre os dois países] fosse maior do que é hoje”. Segundo Rui Rio, Portugal e o Brasil partilham laços culturais genuínos, um passado comum e a mesma língua. “Nós temos a obrigação de estreitar estes laços porque eles são favoráveis. Se Portugal estiver totalmente virado para a Europa, vai tornar-se um país totalmente dependente dos ciclos políticos e económicos da Europa”, afirmou.

Na manhã de dia 10, Rui Rio visitou o Real Gabinete Português de Leitura, uma biblioteca que exibe a mais valiosa coleção de obras de autores portugueses fora de Portugal, com um acervo de 400 mil publicações, entre os quais um exemplar raro da primeira edição de “Os Lusíadas”, de Luís Vaz de Camões, uma edição manuscrita de “Amor de Perdição”, de Camilo Castelo Branco, e uma parte significativa do espólio doado por Marcello Caetano. O Real Gabinete Português de Leitura foi fundado em 14 de maio de 1837, por um grupo de 43 emigrantes portugueses, e o edifício sobressai pela beleza arquitetónica de estilo neomanuelino.

Num almoço-palestra organizado pela Câmara Portuguesa de Comércio e Indústria do Rio de Janeiro), o líder do PSD conversou com empresários e jantou com portugueses na Casa da Feira e Terras de Santa Maria em Tijuca.

Nas diversas entrevistas que concedeu a órgãos de comunicação locais, Rui Rio destacou que as relações institucionais de Portugal com o Brasil sobrepõem-se a simpatias políticas, pelo que “em nada a cor política dos governantes deve afetar as relações entre Portugal e o Brasil, que tem que estar muito acima disso”. Rui Rio considera que o Brasil é uma potência regional e insistiu que ambos os países devem desenvolver uma parceria estratégica privilegiada, sobretudo nos domínios político, económico, comercial e cultural.

Um dos pontos máximos desta deslocação foi o encontro em São Paulo com o ex-Presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso, que liderou os destinos do Brasil entre 1995 a 2003.

Na sexta-feira, o Presidente do PSD efetuou uma visita de cortesia ao Consulado-Geral de Portugal em São Paulo e almoçou no Cais do Porto da Associação Portuguesa de Desportos.

Nas iniciativas que teve com militantes do PSD e com a comunidade portuguesa, Rui Rio ouviu da parte de muitos portugueses vontade de regressar a Portugal, muitos dos quais com intenção de investir no nosso País.

Rui Rio no Brasil