O Presidente do PSD questionou, esta quarta-feira, o Primeiro-Ministro sobre se concorda que todos os alunos em Portugal até ao 9.º ano possam transitar de ano “mesmo sem saber”. No primeiro debate quinzenal da legislatura na Assembleia da República, Rui Rio pediu clarificação sobre o que significa o “plano de não retenção no ensino básico” previsto na página 142 do programa do Governo. Rui Rio espera que não se trate de algo semelhante às “passagens administrativas” ocorridas no pós-25 de Abril. “O aluno chegou ao fim do ano e não sabe, passa ou não passa? Fazer tudo para que ele saiba está correto, mas se no fim não sabe obviamente não pode passar porque isso é em prejuízo do próprio aluno”, afirmou.

Se o objetivo é “facilitar passagens administrativas”, Rui Rio foi perentório e manifestou ter uma visão “exatamente contrária”. “Uma ideia é apoiar os alunos com mais dificuldades, coisa diferente é levarmos isso para passagens administrativas. Se é para fazer isso, a minha discordância é ainda maior do que no salário mínimo. Temos de ter respeito pelas crianças. Isso é dar cabo do futuro da criança e da nossa sociedade. (…) Se o aluno não sabe, e apesar de não saber, continua sempre a passar, aí é que eu desisto do aluno, aí é que o deixo ficar entregue à sua sorte?”, sublinhou o líder do PSD.

No início do debate dedicado às “Políticas de rendimento”, o Presidente do grupo parlamentar começou por questionar o Primeiro-Ministro sobre as promessas do Governo de aumentar do salário mínimo nacional (SMN). Rui Rio insiste na equiparação do salário mínimo entre o setor público e o privado, de forma a que haja “um verdadeiro salário mínimo nacional” para os dois setores.