O Presidente do PSD acusa o ministro das Finanças e candidato do PS às eleições legislativas, Mário Centeno, de baralhar intencionalmente os números para ludibriar os portugueses. “Na minha leitura, o Dr. António Costa baralha os números porque não os domina, o Dr. Mário Centeno domina-os, mas baralha propositadamente para enganar as pessoas”, disse.

À margem de uma visita à adega cooperativa regional de Monção, no distrito de Viana do Castelo, esta segunda-feira, Rui Rio considera “lamentável que alguém que, apesar de tudo, é o ministro das Finanças e se deve comportar tecnicamente acima de qualquer suspeita, baralhe os números todos de forma absolutamente ridícula”.

As críticas do líder do PSD estendem-se também ao Primeiro-Ministro e secretário-geral socialista. “Eu ouvi, por exemplo, o Primeiro-Ministro ontem [domingo] dizer que nós queremos baixar a carga fiscal em 3,7 mil milhões de euros e, ainda assim, a receita fiscal cresce dois mil milhões de euros. Está completamente fora dos números, não tem noção nenhuma do que está a dizer”, sustentou.

Rui Rio sublinha que se a carga fiscal descer 3,7 mil milhões de euros, a receita fiscal “não sobe dois, sobe 5,4 mil milhões de euros”.

O Presidente do PSD conclui que “o professor Joaquim Sarmento vai, daqui por pouco tempo” comentar “ponto a ponto aquilo que o professor Mário Centeno disse”, antecipando que, enquanto professor de finanças públicas, o porta-voz do CEN para as finanças públicas “vai dar uma aula” a Centeno “para ele saber ler o quadro macroeconómico do PSD”.