Com “uma visão social da Europa”, que é “realista, concreta e pragmática”, Paulo Rangel explicou que o PSD propõe o reconhecimento do estatuto do cuidador informal a nível europeu.

“Aos cuidadores, que seja pelo menos reconhecida a capacidade de terem uma pensão de reforma ou um seguro de doença, porque muitas vezes pelo desgaste da sua dedicação já não podem exercer mais essa nobre função”, defendeu o cabeça de lista do PSD às europeias, este domingo, em visita ao Lar Major Rato, em Alcains, Castelo Branco.

Pela “garantia e reforço do Modelo Social Europeu”, o PSD propõe “o reconhecimento do estatuto europeu dos cuidadores informais, que são responsáveis por cerca de 80% dos cuidados prestados, ao nível da União, a crianças, adultos ou idosos com necessidades específicas, deve ser um objetivo europeu”, definindo-se “o estabelecimento do seu direito à proteção social, quando estejam doentes ou atingem a idade da reforma”.

Esta é uma das medidas que constam do manifesto do PSD para as eleições e uma das propostas por uma Europa mais solidária, a que se somam medidas como a criação de um programa europeu de Luta Contra o Cancro e de uma estratégia comum para a natalidade.