Perante os “cortes brutais” no financiamento do ensino artístico, nalguns casos na ordem dos 40% e que irá paralisar o funcionamento destes estabelecimentos de aprendizagem especializada, Luís Leite Ramos acusa o Governo de querer destruir o ensino artístico. O vice-Presidente do grupo parlamentar do PSD considera “urgente resolver este problema”, que deixa os pais e as famílias sem alternativas de ensino para centenas de alunos.

Após uma visita esta segunda-feira, à Academia de Música de Vilar do Paraíso, em Vila Nova de Gaia, instituição que sofreu uma redução de verbas de 40% para o quadro de 2020-2026, em relação a 2018-2024, Luís Leite Ramos revelou que o PSD pretende chamar o ministro da Educação à Assembleia da República para dar explicações” e ainda “fazer votar um projeto de resolução se for necessário”, porque é o “único instrumento” que um partido da oposição tem para que “seja reparada aquela injustiça”.

O vice-presidente do grupo parlamentar do PSD acusou o Governo de ignorar o “histórico” das escolas de ensino artístico português, que trabalharam durante a última década e formaram alunos, criando competências, para optar por um financiamento regido por falta de “transparência nas regras”, com um critério de “estimativa de alunos futuros” e de “atividades futuras” que, segundo aquele responsável, “não faz sentido, porque destrói a rede [de escolas de ensino artístico] que existe”.

“O que está em causa é destruir o trabalho de mais de uma década que o país desenvolveu um pouco por todo o lado no ensino artístico. O que nós sentimos é que muito do esforço desenvolvido por muitas das escolas e academias que têm sobretudo o [ensino] articulado, integrado, o ensino supletivo e também o [ensino] livre, é um trabalho que não pode ser destruído e o que o Governo se arrisca a fazer é destruir este trabalho e a destruir as escolas”, declarou o vice-Presidente do grupo parlamentar do PSD.

Para assinalar o início do novo letivo, os deputados do PSD realizaram esta segunda-feira, um pouco por todo o país, visitas a estabelecimentos de ensino, procurando assim inteirar-se de perto dos problemas vividos pela comunidade escolar.

Na quinta-feira da semana passada, por iniciativa do PSD, decorreu no Parlamento um debate sobre a importância do “bom funcionamento das escolas no próximo ano letivo”, num ano civil marcado pelas condicionantes da pandemia e que poderá ter consequências da economia, do emprego e no futuro das novas gerações. O PSD espera que o Governo assuma a responsabilidade de dar confiança aos alunos, às famílias e a todos aqueles que fazem a escola acontecer todos os dias, garantindo as condições necessárias para que possa cumprir a sua missão em segurança.