A Comissão Política Nacional do PSD, reunida esta quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020, nomeou Joaquim Sarmento para presidir ao Conselho Estratégico Nacional (CEN). Joaquim Sarmento, que também foi eleito no 38.º Congresso, vogal da Comissão Política Nacional, sucede a David Justino à frente deste órgão que funciona junto do Presidente do PSD.

No 38.º Congresso em Viana do Castelo, Rui Rio referiu que a dinamização do Conselho Estratégico Nacional constitui “um vetor essencial para a concretização da abertura do PSD aos portugueses”. “Temos de pôr o CEN a funcionar em todo o território nacional, de molde a dar oportunidade a todos os portugueses de militarem no PSD em função das suas áreas de interesse político ou profissional. Temos de ser capazes de oferecer espaços de militância que interessem às pessoas. Espaços, onde elas possam trocar informações, defender ideias e contribuir dessa forma para as posições do Partido Social Democrata sobre as mais diversas matérias. É assim, com a elevação intelectual da nossa atividade partidária, que conseguiremos conquistar os portugueses; não é com a discussão de lugares, nem com permanentes atitudes de guerrilha na comunicação social”, afirmou Rui Rio no discurso de abertura da reunião magna, dia 7 de fevereiro.

Reiterando que “os partidos existem para servir o País, não existem para dar corpo às suas pequenas táticas, nem aos interesses particulares dos seus dirigentes”, Rui Rio considera que o CEN “terá de ser o embrião do contrato de confiança que o PSD, em tempo próprio, terá de estar capaz de assinar com os portugueses”. Por um lado, enfatizou Rui Rio, para modernizar e refrescar o PSD, atraindo para a atividade partidária os portugueses que não se veem na política qualquer atratividade. Por outro, para “construir as respostas do PSD aos novos desafios que o País enfrenta, através da produção de ideias e soluções coincidentes com as da própria sociedade”.

No final da primeira reunião da Comissão Política Nacional, David Justino destacou o caráter pioneiro do CEN, que continuará a ter a missão de aproximar o partido à sociedade civil, num envolvimento que “possa ser mais efetivo para concretizar o grande objetivo do CEN: não só produzir propostas políticas públicas, mas também mobilizar militantes, simpatizantes e outras pessoas”.

Joaquim Sarmento, que desempenhava funções como porta-voz para as Finanças Públicas do CEN e foi o autor do quadro macroeconómico do PSD para 2019-2013, é atualmente, Professor Auxiliar de Finanças no ISEG, tendo sido Assistente entre 2007 e 2014, e docente convidado na Católica Lisbon School. Tem lecionado em diversas faculdades nacionais (Nova SBE, Nova IMS, ISCTE, Europeia e ISAL- Madeira) e estrangeiras (EPL, Dom Cabral, Insper, MSB-Tunes), sendo Professor Visitante na Getúlio Vargas/Rio de Janeiro. Adicionalmente tem dado formação e cursos em diversas entidades públicas: Tribunal de Contas, IGF e INA. Foi formador na DGCI e na DGO. Foi igualmente assessor económico do Presidente da República Prof. Cavaco Silva, entre 2012 e 2016. Durante dez anos, trabalhou no Ministério das Finanças (1999-2009). Foi consultor da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) da Assembleia da República.