A lista candidata pelo PSD ao círculo de Évora, na continuidade do que tem sido defendido ao longo dos anos pelo nosso partido, entende fundamental preservar as bandeiras do distrito, até porque os progressos realizados no distrito de Évora entre 2011 e 2015, no domínio das políticas públicas de apoio à inovação, promoção económica, emprego e empreendedorismo privado, não tiveram continuidade na legislatura que agora finda.

Com efeito, e com exceção de algum desenvolvimento verificado no “cluster” aeronáutico, pela iniciativa privada, que ainda assim perdeu um importante investimento para o Litoral Alentejano, pouco ou nada foi feito pelo Governo.

Faltaram nestes últimos quatro anos ideias e projetos mobilizadores da sociedade e da comunidade empresarial do distrito de Évora que se pudessem traduzir em maior dinâmica económica e criação de emprego.

Por isso, e pelas bandeiras de sempre, propomos:

  • Concretizar a construção do Hospital Central de Évora, incluindo nele uma escola de saúde, que constitua um centro diferenciado de investigação médica, que instale em Évora um curso de medicina.
  • Investir na rede de cuidados de saúde primários e alargar a rede de cuidados continuados.
  • Rever o sistema de financiamento das IPSS, garantido a necessária diferenciação às que trabalham em territórios de baixa densidade, apostando nos serviços de apoio à infância, à terceira idade e aos cidadãos em situações de maior fragilidade.
  • Investir na Escola pública, requalificando a Escola André de Gouveia em Évora, a Escola Secundária de Viana do Alentejo, a Escola Básica e Secundária de Vendas Novas e o Pavilhão da Escola Básica Diogo Sequeira no Alandroal, garantindo a contratação dos funcionários em falta nas escolas do distrito.
  • Concretizar a linha ferroviária Sines-Caia, que efetivamente sirva o distrito de Évora e cujo traçado respeite a população de Évora, prevendo-se paragens em plataforma logística em Vendas Novas, Évora e na zona dos mármores, e garantido a sua utilização na vertente de passageiros, como medida estruturante de mobilidade e de aposta e sustentabilidade do turismo alentejano.
  • Aplicar o Programa PART na Linha Ferroviária do Alentejo, garantindo que seja aplicada a redução de custo já implementada no transporte público rodoviário, e assegurando que esse passe tenha também validade nos operadores de transporte de toda a Área Metropolitana de Lisboa.
  • Concluir a construção do IP2 e apostar na manutenção das infraestruturas rodoviárias e na prevenção rodoviária, combatendo o flagelo da sinistralidade.
  • Prever no programa nacional de investimentos 2030 um pacote financeiro que traduza um verdadeiro investimento estratégico e a diferenciação da região Alentejo, promovendo uma estratégia integrada de internacionalização dos ativos estratégicos da região, que inclua o relançamento e valorização do sector dos mármores.
  • Garantir no Quadro Comunitário de Apoio 2021-2027 a continuidade de um Programa Operacional Regional, gerido a partir da região e com a ampla participação dos diversos atores regionais.
  • Implementar a 2ª fase do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia, interligando a investigação científica às empresas e ao investimento na região, concluindo a 2ª fase do PACT, o Agro-Cluster de Alqueva e o Centro de Excelência da Universidade de Évora relativo às Energias Renováveis e ao Regadio, apoiando os centros de investigação da Universidade de Évora.
  • Estimular o desenvolvimento e implementação de “Smart Cities”, no âmbito da transformação digital em curso, colocando a região na vanguarda do processo das cidades inteligentes.
  • Expandir a rede de geração de energia renovável na região, apostando na atração de investimentos ligados à economia verde, que assentem em modelos de economia circular.
  • Expandir a rede de postos de carregamento de veículos elétricos, apostando na utilização de transportes amigos do ambiente.
  • Implementar uma política de atração de investimento que promova a fixação e a atração de quadros superiores e de novos residentes, numa estratégia regional de valorização dos recursos humanos.
  • Implementar uma política que permita o acesso à habitação a custos controlados, incluindo o acesso ao arrendamento estudantil universitário e o aumento dos alojamentos em residências universitárias.
  • Apoio à dinâmica de modernização agrícola em curso, expandindo os perímetros de regadio nos concelhos de Évora, Redondo, Mourão, Montemor-o-Novo, Portel, Alandroal, Reguengos de Monsaraz e Viana do Alentejo, aumentando a competitividade, sustentabilidade e a internacionalização da atividade agrícola.
  • Salvaguardar e defender o ecossistema do montado Alentejano, garantido a sua sustentabilidade e a sua defesa face às alterações climáticas.
  • Aposta estruturada no turismo da região, com apoio efetivo à internacionalização da marca Alentejo e à qualificação dos produtos turísticos existentes, adotando um programa de intervenção visando a conservação e recuperação de ativos culturais que se encontram em avançado estado de degradação.
  • Apoio à candidatura de “Évora a Capital Europeia da Cultura 2027”, num quadro de intervenção alargado, que vise a criação e consolidação de um ecossistema cultural e criativo na região.

Sónia Ramos
Cabeça de lista do PSD pelo círculo de Évora