Com base em imagens divulgadas recentemente do rio Pônsul, um dos afluentes do rio Tejo, Cláudia André, deputada do PSD eleita pelo círculo de Castelo Branco, questionou, na quarta-feira, 20 de maio, o ministro do Ambiente e da Ação Climática, na Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território.

Segundo a deputada social-democrata “o mesmo rio que o ministro do Ambiente se referiu a propósito da sua ausência de caudal que ninguém tinha colocado uma rolha na nascente já tem água, mas, como dá para perceber, está a sofrer com um processo de eutrofização [crescimento excessivo de plantas aquáticas] que, como sabemos, acaba com grande parte da vida do próprio rio”.

Desta forma e a partir do investimento anunciado pelo ministro de “vários milhares de euros na reabilitação dos cursos de água do nosso país, que pelos vistos ainda não chegou ao rio Pônsul nem a muitos outros rios, pelo menos da região do distrito de Castelo Branco”, Cláudia André quis saber “o que é que o Ministério do Ambiente está a pensar fazer sobre a poluição e sobre os problemas de caudal do rio Pônsul”. “Há, no imediato, como foi informado e anunciado pela APA (Agência Portuguesa do Ambiente), alguma intervenção prevista para resolver o problema de eutrofização?”, interrogou a deputada.

Na mesma intervenção, a deputada natural do Pinhal Interior Sul abordou o Programa de Transformação da Paisagem nos concelhos da Sertã, Vila de Rei e Mação, programa agora alargado também aos concelhos de Proença-a-Nova e Oleiros. Cláudia André interpelou o ministro sobre a “dotação prevista para o financiamento deste projeto e se estes projetos mantêm a dotação e não vão para outros concelhos ou para outros projetos”.