Imagine um Programa Erasmus feito cá dentro onde fosse possível aos estudantes, por um semestre ou um ano, e com os apoios adequados, fazerem parte da sua formação académica numa instituição do ensino superior diferente e distante da sua alma mater mas dentro das fronteiras nacionais.

Imagine uma sociedade na qual os cientistas, com o seu valioso conhecimento acumulado, fossem conselheiras ouvidas sistematicamente, com a sua opinião a contar de facto, nas medidas de grande complexidade adotadas pelos decisores políticos.

Imagine um programa concebido para incentivar as instituições de ensino superior a prepararem os seus alunos para um mundo em mudança, valorizando aquelas que apostassem em percursos académicos flexíveis, numa formação fundamental holística e multidisciplinar, na qual a reflexão humanista e as competências digitais fossem transversais a todas as ofertas formativas.

Estas são apenas algumas das propostas para o futuro da ciência e ensino superior em Portugal que estarão em debate no dia 29 de junho, das 9.30 às 18.00, na Convenção do CEN (Conselho Estratégico Nacional) do PSD da área Ensino Superior, Ciência e Tecnologia. Uma iniciativa desenvolvida com o envolvimento da sociedade civil.

No encontro, um conjunto de oradores oriundos do mundo académico – incluindo atuais e antigos reitores e presidentes de institutos politécnicos de algumas das principais instituições do ensino superior do país -, das artes, do mundo empresarial debaterão as políticas futuras nesta área. A convenção, coordenada por Maria da Graça Carvalho, terá como ponto de partida o conjunto de medidas para o setor identificadas pelo Conselho Estratégico Nacional do PSD, que se dividem em três grandes desígnios: A Pessoa, O País e a Sociedade e As Regiões e o Mundo.

Veja o programa completo, aqui.